Glossário Ativo Fixo e Avaliação Patrimonial | AfixCode

Glossário Avaliação Patrimonial e Ativo Fixo

Glossário Avaliação Patrimonial e Ativo Fixo

Glossário Avaliação Patrimonial Ativo Fixo - Índice
 

Com o objetivo de atender as principais dúvidas e questionamentos dos nossos clientes sobre a Avaliação Patrimonial e Ativo Fixo, a AfixCode elaborou este glossário com o significado das principais expressões e termos que são usadas quando se trata de controle patrimonial, avaliação patrimonial e etc. Tire as suas dúvidas:

Índice: A | B | C | D | E | F | G | | H | I | J | K | L | M N | O | P | Q | R | S | T | U | V | X | W | Y | Z

 

Torne-se um Leitor VIP

Cadastre-se gratuitamente para receber nossos artigos, dicas e conteúdos exclusivos com prioridade.

 

Letra A

  • Ajuste de Avaliação Patrimonial: é o resultado do valor da avaliação dos bens em relação ao seu valor justo. O valor justo é a quantia pela qual um ativo pode ser trocado, ou um passivo liquidado, por duas partes dispostas a isso e independentes entre si. O objetivo do ajuste de avaliação patrimonial é garantir que a determinação do valor justo ocorra em condições usuais de mercado, ou seja, que fatores que pressionem para a liquidação da transação não interfiram na definição do valor final.

  • Arrendamento Mercantil: é um acordo pelo qual o arrendador transmite ao arrendatário em troca de um pagamento ou série de pagamentos o direito de usar um ativo por um período de tempo acordado.

  • Ativo Biológico: conforme definição do CPC 29, ativo biológico é um animal e/ou planta, vivos e, segundo Ibracon, 2008, ativo biológico é tudo que nasce, cresce e morre.

  • Ativo Fixo: com base na interpretação da Lei 12.973/2014, um ativo fixo, ou ativo imobilizado, é um bem tangível com uma vida útil maior que um ano e cujo valor de compra seja superior a R$ 1.200,00. Obs: a empresa ao seu critério pode estabelecer uma política de imobilização de bens cujo valor unitário seja inferior a R$ 1.200,00.

  • Ativo Imobilizado: imóveis, móveis, máquinas e equipamentos necessários à operação e manutenção das atividades da empresa caracterizados por três requisitos básicos: 1) Natureza Permanente (mais de 1 ano de vida útil); 2) Destinados à utilização nas operações sociais; 3) Não serem destinados à venda.

  • Ativo Intangível: são bens “não físicos”, isto é, não podem ser tocados. São ativos de uma empresa que não tem representação física imediata. Fazem parte dos ativos intangíveis de uma empresa as patentes, franquias, marcas, softwares, direitos autorais, etc.

  • Auditoria: processo de análise da contabilidade de uma companhia realizado por especialistas. A auditoria pode ser interna, feita pelos funcionários, ou externa, por uma empresa contratada.

  • Avaliação: atividade que envolve a determinação técnica do valor quantitativo, qualitativo, ou monetário de um bem, ou de seus rendimentos, gravames, frutos, direitos, seguros, ou de um empreendimento, para uma data e um lugar determinado. Avaliação de bens: Análise técnica, realizada por Engenheiro de Avaliações, para identificar o valor de um bem, de seus custos, frutos e direitos, assim como determinar indicadores da viabilidade de sua utilização econômica, para uma determinada finalidade, situação e data (NBR 14653).

  • Avaliação para Fins de Seguros: esta é uma avaliação sobre os bens patrimoniais da empresa para certificar que o seguro contratado não tenha um valor superestimado ou subestimado.


  • Letra B

  • Baixa:a Baixa de Ativo Imobilizado é quando um bem não tem mais expectativa de benefícios econômicos futuros com sua utilização ou alienação dentro da empresa. Os exemplos de baixa mais comum são por venda, obsolescência ou sucateamento, inexistência física, sinistros, devolução, roubo e doação.

  • Balanço Patrimonial: é uma demonstração contábil, feita em uma determinada data, para evidenciar a situação patrimonial e financeira de uma entidade.

  • Base contábil: relação analítica dos bens que compõem as contas do imobilizado.

  • Benfeitoria: considera-se benfeitorias os gastos realizados com o aumento de área de um imóvel, agregados,construídos, com objetivo de ajustá-lo às necessidades de utilização da empresa.

  • Bens tangíveis e intangíveis: todas as empresas possuem ativos de diversas naturezas. Por sua vez, eles podem ser separados em duas categorias principais, dentre as quais destacamos os bens tangíveis e intangíveis. Saber diferenciá-los é muito importante, pois, apesar de estarem no mesmo grupo de ativo não circulante, cada um deles possui características próprias que impactam no controle e na contabilização.

  • Bens totalmente depreciados: é a classificação dada para os ativos cujo o valor de sua depreciação acumulada é igual ao valor de custo, isto é, são bens cujo valor residual é igual a zero.


  • Letra C

  • Conciliação / Cotejamento: é a associação e cruzamento entre a base contábil e o cadastro físico, o resultado da conciliação é uma base composta de bens cotejados, sobras físicas e sobras contábeis.

  • Contabilidade: é a ciência que estuda métodos de cálculos e registro da movimentação financeira de uma organização, de forma qualitativa e quantitativa do patrimônio.

  • Contabilização da baixa do ativo imobilizado totalmente depreciado: o simples fato de o bem estar contabilmente totalmente depreciado não autoriza a sua baixa contábil, isto porque a baixa contábil só poderá ser efetuada quando o bem for baixado fisicamente, isto é, sair em definitivo do patrimônio da empresa.

  • Contrato de Seguro: são contratos que tem por objetivo assegurar o patrimônio das entidades de forma a garantir a reposição dos bens danificados ou perdidos em casos de sinistros.

  • Controle do Patrimônio Público: o artigo 1º da STN 828 alterou a redação do artigo 6º da Portaria STN 406, alterando o cronograma de obrigatoriedade da implantação do controle do patrimônio público na União, Estados e Prefeituras Municipais. Veja as alterações neste artigo.

  • Controle Patrimonial do Setor Público: é o controle das contas patrimoniais do imobilizado pelo seu valor de custo, onde é realizado o inventário dos bens da entidade, efetuada o cálculo da depreciação fiscal, revisão da vida útil, avaliação dos ativos, teste de Impairment e relatórios demonstrativos através das Demonstrações Contábeis aplicadas ao Setor Público.

  • Cotação Patrimonial: é um procedimento realizado após o inventário físico, que envolve indicar o preço atual do bem. Este preço é utilizado futuramente para cálculo de avaliação e depreciação do bem.

  •  
     

    Letra D

  • Deemed Cost: custo atribuído ou valor justo é o valor avaliado do bem no momento da adoção inicial do CPC27 (01/01/2010).

  • Despesas de venda ou de baixa: são despesas incrementais diretamente atribuíveis à venda ou à baixa de um ativo ou de uma unidade geradora de caixa, excluindo as despesas financeiras e de impostos sobre o resultado gerado.

  • Depreciação: corresponde à diminuição do valor do bem, resultante do desgaste pelo uso, ação da natureza ou obsolescência normal. Essa perda de valor é apropriada pela contabilidade periodicamente até que o Valor da depreciação acumulada seja igual ao Valor de Custo (valor original corrigido).

  • Depreciação Acelerada Normal: é um método de depreciação usado em contabilidade que permite deduzir um valor maior nos primeiros anos da vida do ativo e um valor menor nos anos subsequentes, pois, um ativo tende a ser mais utilizado quando é novo e está funcionando perfeitamente. De acordo com o art. 312 do RIR/99 prevê a depreciação acelerada de bens móveis em função dos números de horas diárias trabalhadas ( máquinas e veículos), utilizando os seguintes coeficientes: coeficiente 1,0 para um turno de 8 horas de operação, coeficiente 1,5 para dois turnos de 8 horas de operação e coeficiente 2,0 para três turnos de 8 horas de operação. A empresa pode usufruir o direito da depreciação acelerada, sem nenhuma formalidade legal, ou consulta prévia à Secretaria da Receita Federal, bastando apenas manter em boa guarda os documentos comprobatórios tais como cartão de ponto, relatório de produção, apontamento de horas trabalhadas, e outros, para comprovar ao fisco quando solicitado.

  • Depreciação acumulada: é a somatória das depreciações mensais desde a aquisição do bem até o período atual. Impairment test: é um teste para assegurar que o valor registrado de um ativo seja recuperável pela capacidade de gerar receita ou pela sua venda.

  • Depreciação do exercício: é a somatória das depreciações mensais de 1 exercício.

  • Depreciação do período: é a quota de depreciação em 1 mês.

  • Depreciação Econômica: é a depreciação calculada através da Vida útil econômica do bem conforme CPC-27. Para a estipulação da Vida útil econômica do bem, faz-se necessário a elaboração de um laudo de avaliação.

  • Depreciação Fiscal: é a depreciação calculada de acordo com as taxas de depreciação estipuladas na IN-162/98 (art. 310 do RIR/1999).


  • Letra E

  • Etiqueta de Patrimônio: uma etiqueta patrimonial, ou de identificação patrimonial, tem o objetivo de auxilar o controle dos ativos fixos e físicos de uma empresa. Ela é um item de identificação, geralmente possui código de barras, o que garante a agilidade nos processos de controle e catalogação para identificar os bens. Ela pode ser de diversos tamanhos e tipos de material, além de poder ser aplicada por cola ou pode ser auto adesiva. Também pode ser chamado de plaquinhas ou placas patrimoniais.

  • Eventos Subsequentes: são os eventos favoráveis ou desfavoráveis que ocorrem após a data do balanço e antes da divulgação das demonstrações contábeis. Existem dois tipos de eventos subsequentes: 1) Eventos ou condições que já existiam antes da data do Balanço e 2) Eventos ou condições que surgiram após a data do Balanço.


  • Letra G

  • Gestão do Controle Patrimonial: gerir todo patrimônio que a empresa possui, desde ativos tangíveis, até os intangíveis.

  • Goodwill: é um ativo intangível que expressa em seu valor, a capacidade de um determinado negócio de gerar riquezas futuras incrementais, em função da entrada de um novo sócio. Sendo assim, ele é determinado pela diferença entre o preço pago e o valor justo de um determinado negócio, sendo o seu valor justificado pelo agrupamento de ativos intangíveis identificáveis, porém, indivisíveis.


  • Letra I

  • Identificação através de radiofrequência ou RFID: método de identificação automática através de sinais de rádio, recuperando e armazenando dados remotamente através de dispositivos denominados etiquetas RFID.

  • Impairment : é um custo por redução ao valor recuperável deve ser incluído nas despesas quando o valor contábil de um ativo exceder o valor recuperável.

  • Inventário Físico: é o processo de identificação dos bens através da afixação das plaquetas de controle patrimonial e coleta de dados (descrição, marca, modelo, número de série, local, etc…)

  • Imobilizado em Andamento: são ativos adquiridos/construídos/fabricados, etc… na fase pré-operacional de um projeto, isto é, são recursos relativos ao ativo imobilizado que ainda não estão operando, sendo classificados durante esse período nas contas “em andamento”. (Ex.: Construções em Andamento, Maquinismos em Andamento, etc…)

  • Incorporação: anexar um item a um bem relacionado, ex: incorporar um teclado ou mouse a um microcomputador.


  • Letra L

  • Levantamento Contábil: é o processo de reorganização do cadastro contábil, que pode envolver a pesquisa nos documentos fiscais (NF) para o complemento de dados, abertura de itens, padronização de descrições, etc…

  • Lucro Presumido: é uma modalidade de regime tributário na qual os impostos são calculados com base em um percentual do seu faturamento. Nesta forma de tributação, presume-se que um determinado valor do faturamento da empresa foi seu lucro e, portanto, será sobre essa parcela que alguns impostos serão calculados.


  • Letra M

  • Manutenção e Reparos de Bens do Ativo Imobilizado: manutenção é a revisão periódica do bem, que não está relacionado ao aumento de vida útil, mas sim que é necessário para seu funcionamento normal, dentro do padrão de qualidade e segurança etc. Exemplos: substituições de peças desgastadas, limpeza, lubrificação etc. Reparos são os pequenos reparos são substituições ou concerto de parte ou peças que quebraram, ou que tenha dado algum problema técnico para que volte a funcionar normalmente e também não está relacionado ao aumento de vida útil.

  • Máquinas e equipamentos: são as máquinas e equipamentos que a empresa usa para desenvolver as suas atividades. Ex.: Em uma padaria, o padeiro precisa usar as máquinas de fazer pães em grande escala para desenvolver o produto que venderá.

  • Moeda Funcional: é a moeda do ambiente econômico principal no qual a entidade opera. Conglomerado é o conjunto da entidade controladora e de todas as suas controladas. Geralmente é determinada pelos os fatores de influência de bens e serviços, recursos financeiros que opera, e regulamentos do país que influenciam na determinação de preço de venda dos produtos de uma empresa.

  • Móveis e utensílios: são os móveis e utensílios usados na companhia, como por exemplo, as mesas e cadeiras da sala da administração de uma empresa, os utensílios de uma empresa de restaurante (garfos, facas, pratos, colheres), entre outros.


  • Letra N

  • Nível de Conciliação: é o grau de perfeita conciliação entre os bens físicos inventariados e o cadastro contábil do imobilizado.


  • Letra O

  • Orçamento de investimento: é o orçamento que registra os investimentos (aquisição de bens componentes do ativo imobilizado) das empresas controladas pela União, aquelas em que direta ou indiretamente, detenha a maioria do capital social com direito a voto.


  • Letra P

  • Perda por desvalorização: é o valor pelo qual o valor contábil de um ativo ou de uma unidade geradora de caixa excede seu valor recuperável.

  • PIS E CONFINS: são siglas de dois tributos pertencentes à Constituição Federal nos artigos 195 e 239, que significam: PIS: Programas de Integração Social e de Formação do Patrimônio do Servidor Público - PIS/PASEP; COFINS: Contribuição para Financiamento da Seguridade Social.

  • Placa (ou Plaqueta) de identificação: as placas de identificação são essenciais para um controle eficaz do ativo imobilizado. Elas servem para identificar um bem patrimonial (ativo fixo), que podem ser produzidas por diversos tipos de materiais, modelos e tamanhos. Esse processo consiste na fixação de placa de identificação patrimonial em todos os bens do ativo imobilizado.

  • Primazia da essência sobre a forma: a primazia da essência sobre a forma, é um conceito contábil que visa analisar a essência da operação, de forma que as demonstrações contábeis e financeiras reflitam à realidade econômica da entidade..

  • Princípios contábeis: são teorias e normas que regulam a atividade da contabilidade geral para sua escrituração e análise que devem ser seguidas por todos.

  • Propriedades para investimento: é o terreno ou edifício mantido pelo proprietário/arrendatário para obter aluguel ou para valorização do capital ou ambas.


  • Letra R

  • Reavaliação de Ativos: denomina-se reavaliação o resultado derivado da diferença entre o valor líquido contábil dos bens (custo corrigido monetariamente líquido das depreciações acumuladas) e o valor de mercado, sendo este um procedimento optativo.

  • Receitas: são entradas de elementos para o ativo da empresa, na forma de bens ou direitos que sempre provocam um aumento da situação líquida. Aumento de benefícios econômicos durante o período contábil na forma de entradas ou aumentos de ativos ou reduções de passivos que resultam em aumento no patrimônio líquido, com exceção daqueles relativos a contribuições de capital feitas por proprietários.

  • Reconstituição da base contábil: esse trabalho é feito através da individualização dos itens contabilizados por totais de NF. Também é feita uma abertura dos itens (digitação de Notas Fiscais), cálculo retroativo das depreciações acumuladas, ajuste com os saldos contábeis, etc.

  • Recuperação de créditos de PIS COFINS sobre o ativo imobilizado: entre outros benefícios, uma boa gestão sobre o Ativo Imobilizado possibilita de forma segura a recuperação de créditos de PIS/COFINS sobre a aquisição de ativos imobilizados utilizados para produção de bens ou prestação de serviços para pessoas jurídicas optantes pelo regime de tributação Lucro Real (sistema não cumulativo).

  • Relatório de bens conciliados: é um documento onde são listados todos os bens de uma empresa que foram encontrados físico e contabilmente.

  • RFID: significa Radio Frequence Identification ou Identificação por Radiofrequência. Essa tecnologia permite que a leitura (captura) de dados seja feita por ondas de radiofrequência.


  • Letra S

  • Saneamento: é o processo de análise das sobras com o objetivo de diminuição das sobras físicas e contábeis, é uma conciliação mais criteriosa, sendo a maioria das vezes executada na casa do cliente e com sua presença.

  • Sobras contábeis: é a classificação dada para os itens que existem no cadastro contábil, mas que não foram localizados fisicamente no inventário físico. As causas para as sobras contábeis podem ser diversas tais como: quebra/sucateamento do bem (baixa física), mas não baixa contábil, roubo/furto, etc…

  • Sobras físicas: é a classificação dada para os bens que existem fisicamente (foram localizados no inventário), mas que não possuem correspondente contábil (não possuem lastro contábil). As causas para sobras físicas geralmente são bens que foram contabilizados erroneamente no momento de sua aquisição (exemplo: foram contabilizados como despesas).

  • Software de Patrimônio: ferramenta online que permite a gestão do cadastro dos ativos da sua empresa de forma ágil, prática e eficiente.

  • Stakeholder: essa é uma palavra muito utilizada nas áreas de comunicação, administração e tecnologia da informação usada para referenciar os grupos mais importantes para um planejamento estratégico ou plano de negócios. Ou seja, são as pessoas interessadas no assunto.


  • Letra T

  • Taxa de depreciação: é um percentual de depreciação do bem em um ano, geralmente a taxa de depreciação utilizada está relacionada a conta contábil do bem.

  • Taxa Interna de Retorno Conhecida (TIR): significa a taxa de lucratividade esperada do projeto. A TIR é o percentual de retorno obtido sobre o saldo investido e ainda não recuperado em um projeto de investimento, pode ser: *Maior do que a Taxa Mínima de Atratividade: significa que o investimento é economicamente atrativo. *Igual à Taxa Mínima de Atratividade: o investimento está economicamente numa situação de indiferença. *Menor do que a Taxa Mínima de Atratividade: o investimento não é economicamente atrativo pois seu retorno é superado pelo retorno de um investimento sem risco. Entre vários investimentos, o melhor será aquele que tiver a maior Taxa Interna de Retorno. Ou Taxa Interna de Retorno Conhecida como TIR, que significa a taxa de lucratividade esperada do projeto. A TIR é o percentual de retorno obtido sobre o saldo investido e ainda não recuperado em um projeto de investimento, e o melhor investimento é aquele que tiver a maior Taxa Interna de Retorno.

  • Terceirização: serviço de gestão do controle patrimonial mensal com a atualização de todas as movimentações: aquisições, baixas, transferências, cálculo de depreciação e emplaquetamento dos bens adquiridos no período, bem como a organização de arquivo exclusivo para atender auditoria interna e emissão de todos os relatórios exigidos pela legislação.

  • Teste de Recuperabilidade / Impairment: tem como objetivo verificar se há na empresa a existência de ativos desvalorizados, considerando que um ativo está desvalorizado quando seu valor contábil excede seu valor recuperável.


  • Letra V

  • Valor contábil: é o valor pelo qual um ativo está reconhecido no balanço depois da dedução de toda respectiva depreciação, amortização ou exaustão acumulada e provisão para perdas. Valor corrigido ou custo: matematicamente pode ser expresso por VOC = Valor Original + Correção monetária acumulada, como no Brasil, não temos mais correção monetária para o ativo imobilizado, atualmente podemos dizer que o Valor corrigido é igual ao Valor original, isto é, o Custo de aquisição de um bem.

  • Valor em uso: é o valor presente de fluxos de caixa futuros estimados, que devem resultar do uso de um ativo ou de uma unidade geradora de caixa.

  • Valor mínimo para ativo imobilizado: ativos com valor superior a R$ 1.200,00 (mil e duzentos reais) ou com prazo de vida útil superior a 1 (um) ano.

  • Valor original: é o valor de aquisição do bem.

  • Valor Residual: é a diferença entre o valor de custo(VOC) e a depreciação acumulada do bem.

  • Valor depreciável: diferença entre o valor do bem registrado contabilmente (ou outro valor que substitua o custo) e o valor residual final.

  • Valor líquido de venda: é o valor a ser obtido pela venda de um ativo ou de uma unidade geradora de caixa em transações em bases comutativas, entre partes conhecedoras e interessadas, menos as despesas estimadas de venda.

  • Valor residual final (Valor de descarte): é o valor de venda líquida estimada do ativo (valor da venda menos as despesas de venda) no fim da sua vida útil (tempo no qual espera utilizar um ativo).

  • Valor recuperável: de um ativo ou de uma unidade geradora de caixa é o maior valor entre o valor líquido de venda de um ativo e seu valor em uso.

  • Valuation: é termo em inglês que significa "Avaliação de Empresas" ou “Avaliação de Negócios” . É o processo que faz uma estimativa de quanto uma empresa vale, determinando seu valor em ativo, financeiro ou real. É possível determinar também o retorno de um investimento em suas ações.

  • Vida Útil: é o período de tempo no qual a entidade espera utilizar um ativo (geralmente expresso em meses) Unidade geradora de caixa: é o menor grupo identificável de ativos que gera as entradas de caixa, que são em grande parte independentes das entradas de caixa de outros ativos ou de grupos de ativos.

  • Se você tem alguma sugestão de outros termos relacionados a Avaliação e Ativo Fixo que deveriam estar aqui, deixe um comentário!

     
     
    Compartilhe esse conteúdo:
     
    AFIXCODE
    AFIXCODE
    Empresa de Avaliação Patrimonial e desenvolvedora de serviços e soluções para o Controle do Patrimônio, a AFIXCODE Patrimônio e Avaliações é a única empresa do segmento que possui o Certificado de Qualidade ISO 9001:2008 desde 2007, com destaque e reconhecimento no mercado há mais de 10 anos, composta por profissionais com mais de 25 anos de experiência na área de Consultoria Patrimonial, Gestão do Patrimônio e Tecnologia da Informação.

    4 Comentários

    1. jose b. neto disse:

      SP. 23/5/2013.

      Prezados,
      Boa noite.

      Gostaria que me informassem o seguinte:

      1 – Para efeito de contabilização, os bens que estão até R$ 326,26, não precisa ser colcado como ativo. Estou ceto?. Pois bem, quando se está realizando cotejamento de bens, eu posso localizar um bem (EX. uma maquina fotográfica que custa digamos R$ 285,00, nesta caso não devo ativar com placa. Estou certo?.

      2 – E quando tenho encontrado vários itens como por exemplo: Ap. tel sem fio que custa aprox. 200,00? Como fica esta situação? Vejamos: temos um item(maq. 285,00) e temos vários itens(ap. sem fio(200,00).

      Devo ativar como?

      Agradeço ajuda.

      Saudações
      José

      • AFIXCODE Equipe AfixCode disse:

        Prezado José,

        De acordo com as novas regras contábeis (IFRS), o critério para contabilização dos ativos imobilizados fica a escolha da empresa.
        Isto é, a empresa pode escolher/definir qual é o valor mínimo para contabilizar.

        Dois comentários a respeito:
        1) Uma vez estabelecido um critério o mesmo deve ser seguido, não se deve ficar mudando de critério a todo momento ou aplicar critérios diferentes para o mesmo tipo de bem.

        2) Contabilizar como ativo itens de pequeno valor (embora permitido), não é uma boa prática, vale lembrar que todo item do imobilizado deve ter uma ficha patrimonial individual, controlar corretamente sua depreciação, etc. Quando houver transferência, baixa do bem, deve ser controlado e devidamente registrado. Assim o custo administrativo de se imobilizar um bem de pequeno valor pode não valer a pena para a empresa. Muitas vezes é melhor contabilizar como despesa e se necessário ter apenas um controle físico desses tipos de bens. Dessa forma a empresa terá um cadastro enxuto dos bens que realmente tem valor significativo, mais fácil de controlar e com um menor custo administrativo.

        Atenciosamente,
        Equipe AfixCode

    2. Tiago Gregório disse:

      Boa noite!

      Ótimo conjunto de artigos sobre o ativo imobilizado. Está me sendo de grande valia para atualização de conceitos. Quero fazer uma pequena observação, que não afeta em nada a qualidade dos artigos:

      Na letra “S”, em “Sobras contábeis”, acredito que faltou a palavra “não” em “é a classificação dada para os itens que existem no cadastro contábil, mas que NÃO foram localizados fisicamente no inventário físico.” Pequeno detalhe!

      De qualquer forma, muito obrigado pela generosidade.

      Tiago Gregório

      • AFIXCODE Equipe AfixCode disse:

        Boa tarde, Tiago Gregório.

        Muito obrigado por nos avisar do erro, já atualizamos o texto.
        Agradecemos também os elogios aos artigos. Ficamos contentes em saber que estão sendo úteis para você.

        Atenciosamente,
        Equipe AfixCode

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    Compartilhar
    Compartilhar
    Twittar