Qual o melhor momento para contratar inventário patrimonial?

Porque não existe o Melhor Momento para Contratar o Inventário Patrimonial

Porque não existe o Melhor Momento para Contratar o Inventário Patrimonial

Quando contratar inventário patrimonial
 

Uma das dúvidas mais comuns que recebemos é “Existe algum melhor momento para contratar um serviço de inventário do ativo imobilizado?” ou ainda, seguindo a mesma linha: “Quando que se deve contratar um serviço de regularização do imobilizado?”.

Não temos uma resposta padrão para essas dúvidas e cabe a cada gestor avaliar os prós e contras para determinar o que mais faz sentido para a sua empresa. Mas, quais fatores devem ser levados em conta para escolher o melhor momento para cada negócio? Existem benefícios ao se optar por realizar o inventário em certa época do ano?

Por isso, neste artigo trouxemos tanto a nossa visão e experiência quanto às melhores práticas adotadas por nossos clientes para te ajudar a tomar essa decisão.

Continue lendo e confira!

 
 

Qual é o melhor momento para contratar o serviço de inventário?

Não existe um melhor momento, ou um mês melhor do que o outro. Uma recomendação geral que damos para nossos clientes que realizam inventário periodicamente é se possível fazer o inventário no primeiro semestre, pois historicamente a demanda é menor e com isso, além de ter mais tempo para concluir e analisar todo o resultado, o investimento para a realização do serviço sempre é menor do que no segundo semestre.

QUANDO AS EMPRESAS COSTUMAM CONTRATAR

O pico da demanda acontece geralmente entre julho e outubro, e ainda sempre tem as empresas que deixam para última hora entre novembro e dezembro, e esses geralmente acabam pagando mais caro, além do stress de brigar contra o relógio.

MOTIVOS PARA FAZER UM PLANEJAMENTO E CONTRATAR COM ANTECEDÊNCIA

Se por algum motivo específico você precisar que o inventário seja realizado no segundo semestre, nossa dica é fazer a contratação bem antes. Temos alguns clientes que nos contratam no início do ano, diluem o pagamento durante o ano (o que ajuda o caixa), e no final do ano já tem suas datas reservadas.

Esse planejamento antecipado também gera outros benefícios que podem fazer grande diferença para as empresas. Uma das vantagens é que permite a detecção de possíveis problemas na base com antecedência, além de um menor custo de logística, pois é possível nesses casos conseguir tarifas de transporte para locomoção da equipe muito melhores do que nas compras imediatas.

 
 
 
 

Quando se deve contratar um serviço de inventário e regularização do imobilizado?

Organizamos a resposta desta questão em três partes:

  • O que a legislação diz;
  • Benchmarking: As práticas atuais do mercado;
  • A nossa melhor resposta;

Siga a leitura.

O QUE A LEGISLAÇÃO DIZ

Nossa legislação não obriga um inventário do ativo imobilizado anualmente. A norma sugere que se realize quando houver indícios significativos de mudança. Mas, algumas empresas mais estruturadas, devido ao compliance, realizam o inventário anualmente, ou a cada 2 ou 3 anos. Esses são os ciclos mais comuns, mas há também aquele grupo de empresas que somente fazem quando a auditoria externa faz algum tipo de ressalva.

Benchmarking: As práticas atuais do mercado

Anualmente realizamos a Pesquisa Cenário do Ativo Imobilizado 2021, que é segmentada para o setor contábil da área de patrimônio e traz novos dados para o mercado.

De acordo com o relatório dessa pesquisa, observamos as seguintes informações do setor sobre a frequência de realização do inventário patrimonial:

A maior parte das empresas mantém a frequência anual

Entre as empresas que têm a prática de realizar o inventário físico, os resultados da pesquisa apontam que 53,7% das empresas o fazem anualmente, o que é uma excelente periodicidade pois demonstra uma cultura de controle dos ativos bem estruturada.

Instituições Financeiras, Farmacêuticas e empresas de Software e Cloud mantém a melhor frequência

Notamos que os segmentos do mercado Bancos e Instituições Financeiras (66%), Software e Cloud (66%) e ainda Química e Farmacêutica (50%) são os únicos onde a maioria das empresas realizam o inventário anualmente.

Hospitais e Saúde tem a pior frequência

Também observamos que infelizmente o segmento de Hospitais e Saúde tem a pior frequência na realização do inventário físico, com 58,8% das empresas respondentes informando que não tem uma política definida de revisão.

 

 

A NOSSA MELHOR RESPOSTA

Por fim, a melhor resposta para essa pergunta, na verdade, é: depende. Se a empresa for bem estruturada, tiver normas e procedimentos funcionais e uma boa política de imobilização, realizar o inventário a cada 3 anos é bastante razoável.

Se o nível de controle e maturidade for menor, se houver muita movimentação de bens e falhas no processo de imobilização, aí o aconselhável é diminuir esse tempo para a cada 2 anos ou até anualmente.

Muitas empresas quando contratam a Afixcode fazem um plano de revisão do inventário para o próximo ano ou para os próximos 2 anos. Nesse caso, no ano 0 (zero) realizamos o inventário completo, e nos anos 1 e 2 uma revisão por amostragem. Repetindo o ciclo no ano 3 com um inventário completo novamente. As vantagens desse tipo de contrato são:

  • valor menor
  • a diluição em pagamentos mensais
  • suporte completo
  • bônus disponibilizados para clientes nessa modalidade

 
 

Planeje-se

Se fossemos resumir a resposta para essas duas perguntas frequentes, a resposta óbvia e mais sensata se resume em uma única palavra: planejamento. As empresas e os gestores que planejam com antecedência o inventário do imobilizado conseguem resultados melhores em termos financeiros, além dos aspectos intangíveis, como menor desgaste emocional, menor stress, entre outros.

Quer entender mais como fazer o planejamento do inventário e saber tudo sobre a execução deste serviço? Converse com um de nossos especialistas, estamos à disposição para te ajudar: [email protected] ou (11) 2888-4747.

 
 

 
Compartilhe esse conteúdo:
 
Glauco Oda
Glauco Oda
Glauco Oda é bacharel em Ciência da Computação formado pela Universidade Presbiteriana Mackenzie e em Ciências Contábeis pela Universidade Paulista (CRC 1SP326596), atual CEO da AfixCode Patrimônio e Avaliações, e sócio/diretor da OTK Sistemas e AfixGraf Soluções Gráficas. Carreira profissional toda desenvolvida na gestão do controle do Ativo Imobilizado, tendo participado de todas as fases e inúmeros projetos em mais de 20 anos de atuação profissional. | LinkedIn: /in/glaucooda

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Compartilhar
Compartilhar
Twittar