A Importância da Depreciação e o Sucesso da Empresa | AfixCode

A importância da depreciação e o sucesso da empresa

A importância da depreciação e o sucesso da empresa

Importância Depreciação Sucesso Empresa - OpenGraph
 

Controlar o ativo imobilizado não é simplesmente “chapear os bens”, e sim adotar uma política gerencial que tenha como objetivo a longevidade da empresa.

Essa semana uma notícia foi muito comentada na mídia e nas redes sociais. Matt Rognlie, um estudante do MIT (Massachusetts Institute of Technology) postou no blog de economia Marginal Revolution um comentário sobre o livro “O Capital do Século XXI” do francês Thomas Piketty. O best-seller que defende a tese que a concentração de renda se retroalimenta pois os mais ricos possuem mais capitais e o retorno sobre ele tende a ser maior comparado com o retorno sobre o trabalho.

Matt Rognlie escreveu que a obra “O Capital no Século XXI” negligencia um ponto sutil, mas absolutamente crucial: a importância da depreciação. Isto é, um computador perde seu valor de aquisição com o uso, tornando-se obsoleto com o tempo, exatamente o oposto do que ocorre na fórmula do francês. O erro, segundo o estudante, foi simplesmente supor que a maior parte do capital se valorizava com o tempo, quando na verdade esse processo não se aplica a todos os fatores da produção (apenas ao setor imobiliário).

Na economia produtiva, isto é nas empresas em geral, principalmente naquelas cuja manutenção do negócio está diretamente ligada ao seu ativo imobilizado, o efeito da depreciação é consideravelmente mais forte. Além disso, o ativo imobilizado pode perder o valor pela obsolescência tecnológica, mudança do processo produtivo e até pela mudança de hábito de consumo.

Um empresário tem a necessidade de reinvestir o seu capital na aquisição ou reforma de máquinas para poder manter e ou aumentar a produção. Desta forma, o aumento do valor do ativo imobilizado geralmente não é pela a valorização do capital investido no imobilizado e sim devido ao aumento do capital investido na compra de equipamentos ao longo do tempo.

 

Torne-se um Leitor VIP

Cadastre-se gratuitamente para receber nossos artigos, dicas e conteúdos exclusivos com prioridade.

 

Trazendo esse tema para a nossa realidade brasileira, vemos claramente também que por aqui muitas empresas ainda não dão a devida importância ao controle do ativo imobilizado e depreciação. Reflexo disso é que essa postura acaba colocando em risco o futuro do próprio negócio. Se a empresa não tem uma política de renovação do seu imobilizado, a tendência é que essa empresa passe a ter dificuldade para competir com a concorrência e não dispor de recursos financeiros quando decidir renovar seu imobilizado.

Controlar o ativo imobilizado não é simplesmente “chapear os bens”, e sim adotar uma política gerencial que tenha como objetivo a longevidade da empresa. Todas as empresas devem elaborar e adotar uma política de renovação do seu parque fabril. É o que faz por exemplo o departamento de tecnologia que promove a substituição de computadores periodicamente para acompanhar a evolução tecnológica e demanda por processadores mais potentes.

 
 

Além disto, o balanço patrimonial da empresa deve refletir fielmente o valor da empresa. Sem controle físico do imobilizado comprovado por meio de inventários periódicos e cálculo da depreciação através de taxas que representam a vida útil econômica efetiva dos bens não há como elaborar demonstrações financeiras confiáveis.

Depreciar corretamente os bens do ativo imobilizado, ou seja, determinar a taxa de depreciação que reflita a vida útil econômica dos bens requer um trabalho de avaliação correta de vários fatores. Não é somente a durabilidade do item que determina a taxa de depreciação, existem outros fatores que determinam a sua vida útil.

Estar atento e acompanhar a depreciação do parque fabril é um dos fatores primordiais para garantir o sucesso e a longevidade empresarial. Isto sim irá garantir a valorização do capital investido devido a possibilidade de gerar receitas por mais tempo. O retorno sobre o capital investido no setor produtivo será bom somente quando o capital investido for bem administrado sendo primordial um bom controle do patrimônio.

 
 
Compartilhe esse conteúdo:
 
Glauco Oda
Glauco Oda
Glauco Oda é bacharel em Ciência da Computação formado pela Universidade Presbiteriana Mackenzie e em Ciências Contábeis pela Universidade Paulista (CRC 1SP326596), atual CEO da AfixCode Patrimônio e Avaliações, e sócio/diretor da OTK Sistemas e AfixGraf Soluções Gráficas. Carreira profissional toda desenvolvida na gestão do controle do Ativo Imobilizado, tendo participado de todas as fases e inúmeros projetos em mais de 20 anos de atuação profissional.

1 Comentário

  1. EUCLIDES disse:

    Muito boa sua colocação, pois principalmente as pequenas médias empresas não dão a devida importância a depreciação do imobilizado.
    Parabéns!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *